Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Respostas possíveis para perguntas imbecis…(II)

Hoje, com o estômago recuperado do esforço inaudito de ter que ler e responder canalhices dirigidas ao presidente Lula, voltei ao rol das perguntas cretinas a mim enviadas, para responder a mais quatro delas.

Pergunta 1: Por que o presidente do povo se vangloria de não ter estudo e ser filho de mãe analfabeta e acha normal ter filhos estudando fora do Brasil?

Além de cretinos, o(s) autor(es) desta pergunta ainda sofrem de surdez aguda, pois nunca vi o Lula se vangloriar de sua baixa escolaridade ou do analfabetismo dos pais. Na primeira vez em que ele abordou este fato, foi para emocionar-se por ter sido reconhecido pelo povo brasileiro como capaz de governar o país, apesar de sua baixa escolaridade (lembram-se de sua primeira posse?). Em várias outras ocasiões, abordou este mesmo fato para justificar o seu interesse em implementar avanços na educação e evitar que a sua situação pessoal continuasse a atingir milhões de brasileiros (e os primeiros bons resultados na educação estão aí, para quem quiser saber!). E, há pouco tempo, declarou a sua intenção de, ao deixar a presidência, retomar os estudos par obter um diploma universitário. Isso é vangloriar-se da baixa escolaridade? E se ele tem uma filha estudando fora do país (como inúmeros brasileiros o fazem), é mais uma confirmação da sua valorização à educação, certo? Ou a oposição Pitbull está incomodada com o fato de um ex-operário poder oportunizar boa educação aos filhos? Ou está com medo de que, se a moda pega, daqui a pouco teremos filhos de operários competindo no mercado de trabalho com as elites? Continue lendo

Anúncios

quarta-feira, 30 abril, 2008 Posted by | Comentário | , | Deixe um comentário

Ser paraense (III)

Como não recebi mais colaborações sobre a linguagem cabocla paraense, fui no Google e consegui algumas expressões. Lá vai:

Ser Parense da Gema é…

> não se considerar paraense, mas sim paraoara.
> chamar gigolô de caraxué.
> ao invés de esculhambar com o outro, abrir o fora!
> chamar algo ou alguém repulsivo de malacafento.
> denominar algo muito ruim, ordinário, de xenxém.

Será que a falta de sugestões sobre a linguagem papachibé é pelo fato dos paraoaras não estarem acessando o blog? Égua, não acredito!

quarta-feira, 30 abril, 2008 Posted by | Humor | , | 2 Comentários

Enfim, a maioridade!…

Ao abrir as estatísticas do blog, agora há pouco, tive o prazer de constatar que alcançamos a milésima visita. Acredito que com esta marca, alcançamos a “maioridade” no gênero, pois a média de 33 visitas diárias (com picos de 70 visitas em dois dias, no período), nos permite deduzir que já temos um quadro de visitantes significativo para um blog amador e que os assuntos postados têm agradado a um bom número de visitantes. Necessariamente, tenho que compartilhar esta experiência agradável com meu filho Ricardo (que me ajuda nesta empreitada) e com vocês, amigos e visitantes que têm nos lido e que, em muitos casos, enviaram colaborações e sugestões para enriquecermos os nossos conteúdos. Como disse no perfil inicial: vamos à luta. A boa luta, pela interação informativa das pessoas e pela busca de novos conhecimentos e atitudes. Continuem conosco e colaborando sempre.

quarta-feira, 30 abril, 2008 Posted by | Comentário | Deixe um comentário

O Brasil é o bicho!

Pois é, um documentário com este nome foi apresentado em pré-estréia, no Rio. Quando será que ele será disponibilizado a nós, pobres ambientalistas voluntários?

Seg, 28 Abr, 01h03

(Rio de Janeiro, BR Press) – Nesta segunda (28/04), um filme promete reunir uma fauna variada: empresários, artistas, intelectuais, jornalistas, ambientalistas e outros “bichos” irão se encontrar no Cine Odeon, às 20h30, para assistir à pré-estréia do documentário O Brasil é O Bicho! A entrada é restrita a convidados.

Durante três meses, a equipe do documentário viajou pelo país para registrar a interação entre o ser humano e a fauna silvestre. Lendas, mitos, crendices religiosas e até mesmo conceitos como sorte ou mau agouro interferem diretamente na sobrevivência de muitas espécies e também contribuem para gerar um rico folclore, recheado de muita criatividade.

O Brasil é uma nação que possui uma das mais belas e ricas biodiversidades do planeta e que está presente em nosso dia-a-dia muito mais do que se imagina. E ela se revela em sua plenitude nas cores, formas e hábitos da nossa fauna silvestre. O Brasil É O Bicho! pretende mostrar que às vezes somos estrangeiros dentro do nosso próprio país, desconhecendo ou ignorando aquilo que de mais rico e singular possuímos: a diversidade da nossa vida selvagem.

Com roteiro e apresentação do ambientalista Dener Giovanini, que em 2007 apresentou uma série homônima no programa Fantástico da TV Globo, o documentário, com uma hora de duração, apresenta ainda um Brasil que pode sucumbir economicamente às novas pestes que vem das florestas e que estão se disseminando rapidamente nos centros urbanos, como a febre amarela e a dengue, entre outras.

terça-feira, 29 abril, 2008 Posted by | Repassando... | , , , | Deixe um comentário

Respostas possíveis para perguntas imbecis…

Henrique R. de Miranda
henriquermiranda@yahoo.com.br

É estarrecedor o cinismo com que a oposição pitbull, presente na esfera política e nas classes desmamadas das tetas públicas, buscam os caminhos mais sórdidos para desmerecer o Lula, enquanto presidente democraticamente eleito, reeleito e possuidor do mais alto índice de aprovação popular da nossa história recente, como governante. Primeiro, durante a primeira campanha eleitoral, praticaram o terrorismo político, disseminando a “verdade” de que um governo petista afetaria a credibilidade internacional do Brasil e derrubaria as conquistas do governo FHC. O resultado foi que o Lula, eleito, recebeu um país com uma avaliação internacional de risco estratosfericamente negativa, inflação crescente, desemprego beirando os 20% e inúmeras seqüelas sociais. Passaram-se dois anos, a situação começou a ser revertida e as alcatéias das bestas opositoras, desta vez facilitada pelos imbecis do PT (sim, lá também existem imbecis!), passaram a atacar o Lula. Não os notoriamente envolvidos no Mensalão, mas o Lula! Tanto é que nenhum dos parlamentares concretamente envolvidos foi punido, apenas o Roberto Jefferson, que denunciou, e o José Dirceu, pretenso cabeça do esquema. O Lula, mesmo sem provas, não caiu porque o respaldo da população não deu clima para um processo de impeachement. Continue lendo

segunda-feira, 28 abril, 2008 Posted by | Comentário | , , | Deixe um comentário

Publico porque foi escrito por uma mulher!

Se o a matéria abaixo tivesse sido escrita por um homem, apesar de concordar com o conteúdo, jamais a publicaria, pois com certeza acusariam a mim e ao autor de machismo. Bom saber que existem mulheres socialmente lúcidas e esclarecidas, capazes de abordar as facetas obscuras da eterna vitimização das mulheres.

Jogos da vida


Lya Luft

Escritora

“Não é muito difícil ter filho com um homem
casado que não queira se separar, com um
solteiro não disposto a se comprometer ou pelo
simples desejo de prolongar um casamento falido”.

Não tenho o menor interesse por escândalos públicos ou privados (sobre os quais nunca se sabe a verdade toda), presentes ou passados – há coisas bem mais agradáveis, até fascinantes, a observar na condição humana com suas glórias e suas trapalhadas. O que escrevo hoje nasce do muito refletir sobre a questão dos gêneros masculino e feminino, num eterno enfrentamento, que pode ser dança de sedução ou feroz batalha.

Não precisam ser as bruxas queimadas nas fogueiras católicas da Idade Média ou as curandeiras temidas em tempos primitivos; não precisam ser poderosas empresárias nem endeusadas modelos, jovens atrizes ou saltitantes socialites: qualquer mulher tem poderes. São bons ou maus. Alguns elas desconhecem; outros, manejam com perfídia. Ter um filho que o homem não queria, não planejava nem sonhava (ou, se for muito jovem,não estava preparado para assumir) é um dos mais negativos. Continue lendo

sábado, 26 abril, 2008 Posted by | Comentário, Repassando... | , , , , | Deixe um comentário

Poesia…

Fonte: repassado por Hunberto Miranda – Ba
hymcaro@bol.com.br

Mário Quintana

sábado, 26 abril, 2008 Posted by | Repassando... | , , | Deixe um comentário

O DESENVOLVIMENTO LOCAL NA AMAZÔNIA BRASILEIRA

O DESENVOLVIMENTO LOCAL NA AMAZÔNIA: CONCEITUAÇÃO, CARACTERÍSTICAS, POSSIBILIDADES OBJETIVAS E INSTRUMENTALIZAÇÕES NECESSÁRIAS

Henrique Rodrigues de Miranda
Especialista em Gestão Sustentável de Recursos Naturais
Mestrando do PPGEDAM
henriquermiranda@yahoo.com.br


RESUMO

A atual crise ambiental, que mobiliza as sociedades do planeta em busca de soluções sustentáveis para as questões sociais e econômicas, foi construída historicamente pelo etnocentrismo pragmático-utilitarista, com base no uso irresponsável dos recursos naturais e na lógica capitalista da concentração e da centralização. Nas últimas décadas, a aceleração dos processos de globalização agravou estes efeitos negativos, por tentarem agrupar, na concepção de “aldeia global” (
MC LUHAN, 1969), realidades territoriais profundamente desiguais em termos de desenvolvimento, promovendo uma visão de “desterritorialização” que agravou mais ainda as crises ambientais, sociais e econômicas nos cenários das coletividades menos desenvolvidas. Estas crises alimentaram rediscussões da visão desenvolvimentista local, acrescentando-lhe os ingredientes do desenvolvimento territorial e endógeno e da sustentabilidade ambiental, econômica e social, e consolidando-se no conceito de desenvolvimento territorial sustentável, uma concepção atualizada e mais qualificada do termo desenvolvimento local utilizado até recentemente. Este conceito, todavia, nas suas perspectivas concretas, encontra-se limitada pela natureza classista do Estado e à frágil organização social (notadamente nos seus segmentos mais fragilizados social, econômica e politicamente). Em face disso, as experiências locais de desenvolvimento sustentável, principalmente na Amazônia Brasileira, têm apresentado resultados limitados, o que justifica uma análise específica dos tópicos relativos ao conceito, características e possibilidades desta estratégia territorial de desenvolvimento e suas possibilidades nos cenários locais da Amazônia Brasileira, notadamente em sua parcela situada no estado do Pará.
No presente artigo, o autor procura descrever inicialmente os conteúdos dos principais conceitos, associando-os posteriormente no cenário regional amazônico (onde a perspectiva deste modelo de desenvolvimento encontra-se em fase de discussões acadêmicas e experimentações empíricas), levando em conta, primordialmente, a participação popular.

Palavras-chave: Desenvolvimento local. Desenvolvimento sustentável. Desenvolvimento territorial e endógeno. Desenvolvimento territorial sustentável. Estado, Sociedade e participação social. Esfera pública ampliada. Captura de governança. Reserva gratuita de dominação. Continue lendo

sexta-feira, 25 abril, 2008 Posted by | Academia livre | , , , , , | 1 Comentário

Justa homenagem ao nosso ET

Veja o clipe e tenha uma surpresa agradável:

sexta-feira, 25 abril, 2008 Posted by | Repassando... | Deixe um comentário

Anita Catarina Malfatti

Carlos Eurico Augusto Germer
Eng. Agrônomo

Colaborador do Blog
kgermer@uol.com.br

Anita Malfatti nasceu em São Paulo em 02 de dezembro de 1889. Nasceu com um problema congênito que lhe limitava movimentos do braço e da mão, no lado direito.

Logo pequena teve contato com a arte, pois, sua mãe era professora de pintura. Incentivada pela família foi, em 1910, para a Alemanha, onde freqüentou, por três anos, a Academia Real de Berlim. Estudou gravura, desenho e pintura, além de conhecer os principais mestres do expressionismo alemão.

“Quando cheguei à Europa, vi pela primeira vez a pintura. Quando visitei os museus fiquei tonta. Comecei a querer descobrir no que os grandes santos das escolas italianas eram diferentes dos santinhos dos colégios. Tanto me encantavam uns quanto os outros. Fiquei infeliz porque a emoção não era de deslumbramento, mas de perturbação e de infinito cansaço diante do desconhecido. Assim passei semanas voltando diariamente ao Museu de Dresde. Em Berlim continuei a busca e comecei a desenhar. Desenhei seis meses dia e noite. Um belo dia fui com uma colega ver uma grande exposição de pintura moderna. Eram quadros grandes. Havia emprego de quilos de tinta e de todas as cores. Um jogo formidável. Uma confusão, um arrebatamento, cada acidente de forma pintado com todas as cores. O artista não havia tomado tempo para misturar as cores, o que para mim foi uma revelação e minha primeira descoberta. Pensei, o artista está certo. A luz do sol é composta de três cores primárias e quatro derivadas. Os objetos se acusam só quando saem da sombra, isto é, quando envolvidos na luz. Tudo é resultado da luz que os acusa, participando de todas as cores. Comecei a ver tudo acusado por todas as cores. Nada nesse mundo é incolor ou sem luz. Procurei o homem de todas as cores, Lovis Corinth, e dentro de uma semana comecei a trabalhar na aula desse professor. Comprei incontinente uma porção de tintas, e a festa começou. Continuava a ter medo da grande pintura como se tem medo de um cálculo integral”. [BATISTA, Marta Rossetti (Org. ); LOPEZ, Telé Ancona (Org. ); LIMA, Yvone Soares de (Org. ). Brasil: 1º tempo modernista 1917/25: documentação. São Paulo: IEB: USP, 1972, p. 41]. Continue lendo

sexta-feira, 25 abril, 2008 Posted by | Academia livre, Arte e cultura | , | 16 Comentários