Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

E por falar na hipocrisia hipocrática e em desconstrução corporativista…

terça-feira, 9 de julho de 2013

Todo mundo quer mais saúde, mas quem ajuda?

AGE20130708247 1024x594 Todo mundo quer mais saúde, mas quem ajuda?
A irada reação das entidades médicas brasileiras ao projeto da  presidente Dilma Rousseff de levar mais médicos ao interior e às  periferias do País mostra como o Brasil continua sendo, acima de tudo,  um país corporativista e patrimonialista.
Nas recentes manifestações de protesto que varreram o País, a  situação da saúde foi um dos temas mais criticados em faixas e cartazes.  O governo resolveu agir rapidamente e “ouvir a voz das ruas”, mas agora  que toma providências para melhorar o atendimento médico, quem está  disposto a ajudar para se encontrar uma solução que diminua o sofrimento  de tanta gente nas filas dos hospitais e nos postos de saúde?
Sem entrar no mérito das medidas propostas, o fato é que importar  médicos de outros países e estender de seis para oito anos a duração dos  cursos de medicina (os últimos dois trabalhando no SUS) podem ser  formas emergenciais de atacar o problema a curto e médio prazos. Quem  tiver propostas melhores que as apresente.
Todo mundo quer mais saúde, educação de qualidade, transporte  coletivo farto e eficiente, o que é justo. Só que tudo isso custa  dinheiro, os orçamentos públicos são finitos e ninguém está disposto a  pagar mais impostos. Então, qual é a mágica se a conta não fecha, a  situação da economia brasileira é delicada e ninguém está disposto a  abrir mão dos seus privilégios para ajudar a quem mais precisa?
Tempos atrás, ao final de uma reunião do “Todos Pela Educação”,  movimento que ajudei a fundar e do qual participo, criado para prover o  País de uma educação pública de qualidade até 2022, ano do bicentenário  da Independência, um empresário comentou no elevador que seus filhos  só estudaram em escolas públicas.
Fiquei curioso em saber onde, em que escola eles haviam estudado. “Em  escolas americanas, claro”, respondeu, sorrindo, o meu interlocutor. A  questão é que nos Estados Unidos não cabe só ao governo  financiar educação e saúde. A maior parte dos recursos vem de fundações  privadas mantidas por grandes empresas. Aqui, só se espera que o governo  providencie tudo e são raros os exemplos de donos de grandes fortunas  dispostos a doar parte delas para diminuir as desigualdades sociais.
Se é para citar sempre o exemplo americano, então é bom lembrar  também que lá os pais ajudam a cuidar das escolas públicas onde seus  filhos estudam e os alunos mais adiantados ajudam os mais fracos, doando  algumas horas por dia para que eles possam acompanhar os demais. O  trabalho voluntário é uma tradição cultural, não está previsto em  nenhuma lei.
Exceção à regra, em vez de apenas criticar o governo, o cardiologista  e ex-ministro da Saúde Adib Jatene presidiu uma comissão que auxiliou  no projeto para mudanças no ensino médico e defendeu a proposta  apresentada pela presidente Dilma Rousseff. “O médico precisa se  transformar num especialista em gente”, disse ele em entrevista à Folha  desta terça-feira.
Na outra ponta, Renato Azevedo Júnior, presidente do Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo), disse que as medidas do governo são autoritárias. “Isto nunca foi discutido com ninguém. Nem com as entidades médicas nem com as escolas de medicina. Vão obrigar as pessoas, mesmo as de universidades privadas, a trabalhar em determinado lugar. E a liberdade individual onde fica?”, pergunta Azevedo, para quem a proposta é um “serviço civil obrigatório com outras palavras”.
E qual é o problema? O serviço militar não é obrigatório? Cabe outra  pergunta: E o direito do cidadão de ter atendimento médico quem é que  garante? Que solução o Cremesp propôs aos diferentes níveis da  administração para melhorar a saúde pública, que propostas as entidades  médicas e as escolas de medicina elaboraram para enfrentar a dura  realidade em que trabalham os profissionais da área e são atendidos seus  pacientes?
A crise na saúde exige soluções urgentes, não dá para virar um  seminário permanente. Enquanto cada setor da nossa sociedade pensar só  nos seus próprios interesses, eternizando o corporativismo e o  patrimonialismo seculares, não haverá nunca governo capaz de atender a  todas as demandas da população.

Ricardo Kotscho No Balaio do Kotscho

Anúncios

terça-feira, 9 julho, 2013 - Posted by | Repassando... | , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: