Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Como enxergar por trás e além dos discursos…

desinformaçãoA desinformação promovida pela imensa maioria dos candidatos e pela imprensa conservadora e cúmplice da oposição raivosa, quase sempre dificulta a decisão dos eleitores, isto quando não deforma a visão dos mesmos, com notícias distorcidas, escondidas e/ou omitidas. Em função disso, torna-se extremamente necessário que tenhamos acesso a fontes confiáveis de checagem das informações políticas semeadas nos noticiários da grande imprensa, nos horários políticos e nos debates. Por isso, marisquei na NET algumas fontes e descobri dois sites que têm com objetivo monitorar e checar estas notícias políticas do atual período eleitoral.

O primeiro deles é http://www.excelencias.org.br/quemquer/. Ali, cada um de nós poderá obter informações históricas sobre o candidato que quiser e que esteja concorrendo na atual campanha. Basta colocar na janela de pesquisa o nome ou número do candidato.

O segundo site é: http://apublica.org/truco/, que, imitando o jogo de truco, analisa, legitima, questiona ou derruba as falas e promessas dos candidatos em debates ou campanhas, desnudando os falsos discursos.

Em ambos, os resultados são bastante elucidativos e confiáveis, ajudando-nos a decidir e, até mesmo, argumentar com os conhecidos que muitas vezes são vítimas da desinformação.

Visitem estes dois sites e ajudem a esclarecer o que a grande imprensa e os candidatos não mostram. E como aperitivo, repasso abaixo a notícia do Estadão que mostra a quantidade de fichas sujas que ainda tentam permanecer na política nacional.

Bom dia a todos.

Candidatos a governos têm 327 processos

Quatro em cada dez candidatos a governador em todo o País são alvo de processos na Justiça ou em Tribunais de Contas. No total, 63 participantes das corridas eleitorais nos Estados respondem por 327 ocorrências, sendo que 46 já foram condenados – 10 deles em Tribunais de Justiça, por improbidade administrativa e outras irregularidades.

Os números foram levantados pelo projeto Quem Quer Virar Excelência, da Transparência Brasil. A organização, cuja principal bandeira é o combate à corrupção, pesquisou em mais de 120 fontes ocorrências na Justiça de todos os candidatos à Presidência e aos governos estaduais. O pente-fino” atingiu ainda todos os que concorrem a uma vaga no Senado e na Câmara dos Deputados pelo Paraná. Os dados estão publicados no site da entidade.

Dos processados, mais da metade (36) respondem na Justiça por irregularidades referentes ao exercício de função pública. São 249 os processos que se enquadram nessa caracterização, dos quais 170 por improbidade administrativa e/ou dano ao erário.

Na definição legal, atos de improbidade administrativa envolvem condutas consideradas inadequadas ao exercício da função pública e podem ser alvo de punição se houver enriquecimento ilícito, lesão ao erário ou violação aos princípios da administração pública.

Regras

Os processados não estão, necessariamente, envolvidos em irregularidades – eles podem ser declarados inocentes na etapa do julgamento. Mesmo os condenados, por razões diversas, escapam de restrições impostas na Lei da Ficha Limpa – tecnicamente, portanto, não podem ser considerados fichas sujas”.

Uma exceção é o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR). Ele foi declarado “ficha suja” pelo Tribunal Regional Eleitoral, mas sua defesa recorreu e aguarda julgamento em segunda instância.

Arruda é um dos quatro candidatos a governador que já ocuparam o cargo no passado e foram cassados. Ele perdeu o mandato por infidelidade partidária, em um desdobramento do escândalo em que se envolveu ao ser filmado recebendo dinheiro, no caso que ficou conhecido como Mensalão do DEM”, legenda na qual se abrigava, na época.

Cassio Cunha Lima (PSDB), que tenta voltar a comandar o governo da Paraíba, foi cassado quando ocupava o cargo, em 2009. Ele foi acusado de comprar votos ao distribuir cheques à população como parte de um suposto programa assistencial.

Mão Santa (PSC), candidato no Piauí, foi cassado em 2001, acusado de abuso de poder econômico. O quarto cassado é Marcelo Miranda (PMDB), candidato em Tocantins, que perdeu o cargo de governador em 2009 por compra de votos e abuso de poder econômico. Todos os quatro são alvo de outros processos na Justiça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Anúncios

quinta-feira, 28 agosto, 2014 - Posted by | Comentário, Repassando... | , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: