Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Afinal: és contra ou a favor?

contra ou a favorEm contexto mundial em que mega-soluções hídricas, hidroelétricas, hidroviárias (Belo Monte, Jirau, Transposição do S. Francisco, Hidrovia do Tocantins, grandes represas na China e na foz do Rio Nilo, o canal da Nicarágua, etc.) foram e continuam a ser opções plausíveis e desejáveis para a maioria das sociedades (excetuem-se aí os ambientalistas e os adeptos do caos), surge agora uma ideia nova e aparentemente polêmica: a construção de um aqueduto de Belém a São Paulo, cortando o centro-oeste e/ou o nordeste brasileiro. Ainda mais interessante é a análise crítica da ideia, feita por José Ribamar Bessa Freire (blogueiro amazônida), que mostra os dois lados da ideia (prós e contras) de forma jocosa e ambivalente, gerando no leitor a necessária indagação: afinal, és contra ou a favor? Ao mesmo tempo em que apoia, ironicamente propõe ignorar os livros e teses ambientais contrárias à iniciativa. Enfim, parece balançar em cima do muro…
Leiam a proposta abaixo e vejam se conseguem formar uma opinião menos dúbia que o blogueiro manauara. E se puderem, comentem sua opinião a respeito (contra, a favor ou indeciso)
___________________________________________________________________________

Bessa Freire: Defesa bem humorada do aqueduto Belém-SP

publicado em 5 de janeiro de 2015 às 11:05

Captura de Tela 2015-01-05 às 11.04.30

VAI, POROROCA, PARA O NORDESTE

por José Ribamar Bessa Freire, sugerido pela Conceição Oliveira, em 04.01.2015, no Taqui Pra Ti

“Rio caminho que anda / e vai resmungando talvez uma dor.
Ah quanta pedra levaste / outra pedra deixaste sem vida e amor”.

Miltinho – Eu e o Rio

Excelentíssimo Sr. Governador do Estado do Amazonas

José Melo de Oliveira

Saudações! Escrevo essa carta, mas não repare os senões, para dizer o que penso sobre o seu projeto de transportar água do rio Amazonas para o semiárido nordestino, anunciado antes de sua posse num almoço com jornalistas na Secretaria Estadual de Fazenda. Ali, na sobremesa, V. Exª disse ter se inspirado no oleoduto da Sibéria para propor a construção, “com dinheiro do Tesouro”, de um duto, cuja trajetória, nos cálculos dos especialistas, vai da foz do Amazonas até Maceió, cruzando o sertão de sete estados: MA, PI, CE, RN, PB, PE e AL (Ver mapa).

Na ocasião, em presença de todo o secretariado, V. Exª declarou que vai apresentar o projeto no primeiro encontro com a presidente Dilma a quem pretende convencer com argumento irrespondível publicado nos jornais de Manaus (30/12):

– “A água do Rio Amazonas vai para o mar e não há nenhuma comprovação científica de que a retirada da água doce faça alguma interferência na natureza. Se eu fosse a Dilma, investiria na ideia. Vou levar essas ideias para ela, vou colocar no ouvido dela essas minhas loucuras”.

Que loucura que nada, governador! Deixe de autocrítica exagerada. É isso mesmo! Surpreendente revelação: a água do rio vai para o mar. A cada segundo, o rio Amazonas joga fora no ralo do oceano Atlântico cerca de 300 mil metros cúbicos de água, o que representa um quinto de toda a água fluvial do planeta. Quanto desperdício! Para que tanta água, meu Deus? Ela vai se misturar com água salgada, o que é um estrago inútil, o melhor mesmo é compartilhá-la com quem precisa. Imagina se a natureza vai ficar preocupada com a retirada da água doce! Isso é frescura de ambientalista.

Aqueduto Melo Merenda

Sem querer puxar vosso excelentíssimo saco, senhor governador, acho que a Dilma vai a-do-rar. Esse projeto genial, que pensa o futuro amazônico vinculado ao Brasil, reflete o raciocínio simples de pessoa humilde como V.Exª., que começou sua carreira como datilógrafo da Universidade Federal do Amazonas, foi nomeado depois pelo governo militar diretor da Assessoria Especial de Segurança e Informação (AESI), encarregado de identificar os subversivos daquela instituição e depois, em 2005-2006, presidiu a Sociedade de Navegação Portos e Hidrovias do Amazonas (SNPH). Isto lhe dá legitimidade em questões de flumenlogia.

Este projeto, uma jogada de mestre, lhe traz duas vitórias políticas. De um lado, V. Exª que é do PROS (vixe, vixe) entra na seara do Ministério de Minas e Energia, cujo novo titular é o senador cadeirudo Eduardo Braga (PMDB, vixe, vixe), seu adversário derrotado nas últimas eleições para governador do Amazonas. De outro lado, costura relações com os governadores do nordeste. Se o projeto se concretiza, V. Exª decola para outros voos que podem aterrizar quiçá no Palácio do Planalto. Nunca um amazonense foi presidente da República. A hora se avizinha.

Do ponto de vista econômico, as vantagens são muitas. Uma obra de tal vulto vai gerar empregos e salvar empreiteiras desmoralizadas na Operação Lava Jato que investiga lavagem de dinheiro na Petrobrás. O desvio do curso do rio pode render tanto, mas tanto, que o desvio de ovos da merenda escolar vai parecer coisa de criancinha. Além disso, irrigará terras amigas da senadora Kátia Abreu, afilhada de casamento da presidente Dilma, incentivará a produção de soja, fortalecerá o agronegócio, aumentará as exportações, trazendo divisas para o país.

Do ponto de vista geopolítico, os benefícios são incontáveis. O Amazonas, que hoje com seus 6.992,06 km é o segundo rio mais extenso do mundo, se tiver seu curso ampliado atingirá mais de 10.000km, o que o levará ao primeiro lugar no ranking, deixando o Nilo e o Mississipi-Missouri lá atrás. Aí sim será um “rio de integração”, podendo captar verbas do Ministério de Integração Nacional, comandado por Gilberto Occhi (PP, vixe, vixe), cujo orçamento autorizado em 2014 foi de R$ 10,9 bilhões.

Por tudo isso sugiro que o novo curso do rio Amazonas pelo nordeste se chame Aqueduto José Melo Merenda, codinome popular com que seu autor é conhecido no Amazonas. Homenagem merecida.

Flumicídio

Longe de mim querer fazer intriga, mas V. Exª deve desconfiar do novo ministro da Ciência e Tecnologia, Aldo Rebelo. Ele é bem capaz de se apropriar do projeto, modificando-o e dando-lhe conteúdo nacionalista, já que o rio Amazonas é visto pelos xenófobos como um “rio impatriótico”, pois suas águas cavam e engolem terras no Brasil que são carregadas pela corrente oceânica do Gulf Stream até a Flórida, nos Estados Unidos. (Será por isso que a emergente burguesia de igarapé compra imóveis em Miami, querendo ficar perto da terrinha surrupiada?).

O certo é que, com o aqueduto, a Amazônia deixará de ir de bubuia para Miami para seguir em direção ao Brasil profundo. No entanto, enquanto V. Exª quer ir para o Nordeste, advirto que Aldo Rebelo vai escolher São Paulo como destino final. É provável que quando tome conhecimento do projeto genial, com cujas premissas concorda, Aldo Rebelo convoque a equipe que já fez um novo traçado, ampliando a extensão do aqueduto.

No novo curso alternativo proposto, o rio corta o sul do Pará e o Tocantins, dá uma desviada pela Bahia onde corre lentamente, que ninguém é de ferro, desce desconfiado por Minas Gerais onde atravessa a fazenda dos Neves, em Cláudio, para humilhar o aécioporto, e de lá vai resmungando uma dor pelo Rio de Janeiro, bordeando a fronteira até São Paulo.

A escolha que interessa Aldo Rebelo obedece a razões econômicas e políticas. É que ele quer concorrer ao governo de São Paulo, em 2018, ou como candidato a vice-presidente de Lula. Dessa forma, pretende isolar o governador Alckmin (PSDB, vixe, vixe), que decretou o racionamento e está multando quem não economizar água.

Senhor governador, seja qual for o trajeto do aqueduto, o Amazonas está de parabéns por ter um gênio no seu comando. Não ligue para a oposição que vai denunciá-lo como flumicida, assassino de rios. Eles não sabem o que falam. Ao contrário de Vossa Excelência.

A morte dos rios

Dou-lhe, senhor governador, um conselho de graça para levar esse projeto até o final. Existem três livros que V.Exª NÃO pode ler sob hipótese alguma, porque contradizem a tese melo-merendista de que – segundo a ciência – a retirada de água doce não fere a natureza. A leitura deles deixa claro que secas como a de São Paulo ou do Nordeste foram produzidas pelo homem que mexeu com o sistema hídrico e alterou o balanço de entrada e saída de água. Sem programa inteligente de gerenciamento de bacias hidrográficas, a água vai pro brejo e com ela todos nós.

O primeiro livro a evitar é a Morte Social dos Rios – Conflito, Natureza e Cultura na Amazônia escrito por Mauro Leonel, professor do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em integração da América Latina da USP. O autor mostra como os diferentes segmentos sociais se apropriam dos rios, considerados como importantes para a natureza da qual o homem faz parte. Estuda a relação do poder com a malha fluvial desde o Brasil colônia até a República, condenando sua exploração predatória.

O segundo livro que não deve ser lido é de autoria do historiador Victor Leonardi — Os historiadores e os rios — com um estudo sobre o rio Jaú. Ex-professor das Universidades de Brasília, Unicamp e Berkeley, ele relaciona meio ambiente, história social e ambiental e analisa as mudanças ao longo do tempo. O autor escreveu outro livro a ser também evitado – Entre árvores e esquecimentos: história social dos sertões do Brasil — no qual analisa o papel dos rios no interior do país.

O terceiro livro — Os senhores dos rios: Amazônia, margens e história — conta com vários autores e foi organizado por Mary del Priore, ex-professora da USP e da PUC/RJ e Flávio dos Santos, historiador, professor da UFRJ. Lá, os autores discutem conceitos e abordam a dinâmica de fronteira, a diversidade na Amazônia, a organização do trabalho, analisando as representações do europeu sobre a região.

Fuja desses livros, senhor governador, como o capiroto foge da cruz sob o risco de sua leitura fazer V. Exª mudar de opinião. Eles estão apoiados em dados empíricos, em documentos, em fatos. Se os tempos fossem outros, os bons tempos em que funcionavam nas universidades as AESIs, tais livros seriam certamente queimados por atentarem contra a ordem vigente.

Excelentíssimo senhor governador, o nosso projeto — permita que use aqui o possessivo — seja qual for o traçado, traz vantagem adicional: vai levar para fora da Amazônia a pororoca, que derruba árvores de grande porte e deixa insegura a população ribeirinha. Que a pororoca vá estrondar em Maceió, em Santos ou no raio que o parta.

terça-feira, 6 janeiro, 2015 - Posted by | Repassando... | ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: