Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Miriam Porquinha: o importante não é o fato global, mas a forma de se deformar a notícia…

A cobertura desonesta da alta do dólar feita por Míriam Leitão e congêneres

Postado em 13 mar 2015

Mostra a árvore, mas não a floresta

Uma das funções mais nobres da mídia é jogar luzes onde existem sombras.

Falei disso algumas vezes, e sempre penso nisso quando reflito sobre o DCM.

A imprensa brasileira faz o oposto: joga mais sombras onde já existem sombras.

Um exemplo notável disso é a cobertura que se dá à alta do dólar.

Uma coisa é o dólar estar subindo apenas no Brasil, enquanto no universo reina estabilidade paradisíaca.

Outra coisa é o dólar estar subindo em todo o mundo.

No primeiro caso, o problema está no governo. No segundo, o país é parte de um drama complexo – e o governo está longe de ser o único responsável.

E como a imprensa brasileira noticia o dólar? Bem, você pode imaginar.

A luz veio, afinal, da BBC Brasil. Hoje, a BBC fez uma reportagem na qual mostrou o panorama real.

A BBC entrevistou uma consultoria, a Rosenberg. A Rosenberg acompanha um cesto de 21 moedas internacionais. Delas, 20 se desvalorizaram diante do dólar.

Não uma, não duas, não três: 20.

Se você não dá essa informação, o leitor flutua numa nuvem de ignorância pessimista.

O dólar forte se explica, em boa parte, nos sinais de recuperação da economia americana.

Há, também, sinais de que o FED, o banco central dos Estados Unidos, vai aumentar a taxa de juros. Com isso, investidores são tentados a deslocar seu dinheiro para os Estados Unidos, em busca de juros atraentes para suas aplicações.

O dólar se beneficia com isso.

Não se trata de negar problema, e sim de situá-lo.

A BBC mostra uma coisa que nenhum colunista econômico da imprensa noticiou: perante o euro, o real manteve a paridade.

Há um ano, o euro estava cotado a 3,28 reais. Agora, está em 3,31.

Neste princípio de ano, o real caiu 13,4% diante do dólar, enquanto o recuo do euro foi de 11,6%.

Menos de dois pontos porcentuais de diferença, portanto.

Por que este tipo de coisa não aparece na mídia brasileira?

Porque não interessa informar que a crise é mundial. Isso tiraria o peso das críticas sobre Dilma.

Mesmo ao preço de desinformar os que nela ainda acreditam, a mídia opta por mostrar a árvore e não a floresta.

A BBC, com uma simples matéria, contou mais sobre a alta do dólar do que toda a imprensa reunida.

Chega a ser engraçado, ou patético, ver agora colunistas correndo atrás de explicações para não se desmoralizarem depois que a BBC os desmascarou.

Hoje, em seu blog no Globo, Míriam Leitão, por exemplo, trata do câmbio, e enfim coloca o mundo em suas análises.

De maneira torta, aliás: segundo ela, a União Europeia quis depreciar sua moeda. E o Brasil não. Seria mais ou menos assim, na visão peculiar de Míriam Leitão: o euro se atirou ao chão, e o real caiu.

Quem acredita nisso, como disse Wellington, acredita em tudo.

Enquanto isso, o G1 continua a dar manchetes com o câmbio minuto a minuto, num ato de descerebrada inutilidade para o leitor.

Quando você sabe quem comanda as Novas Mídias na Globo, entende o esforço em desqualificar o governo.

É Erick Bretas, um jornalista-militante de direita que recentemente se notabilizou por conclamar seus amigos de Facebook a participarem do protesto do dia 15.

Na primeira página do G1, com um clique à esquerda, você pode ler a carta de princípios da Globo.

O item mais solene, ali, é a “isenção”.

Bretas é prova disso.

E a cobertura do dólar é prova de que a imprensa brasileira é uma das piores e mais desonestas do mundo.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

terça-feira, 31 março, 2015 - Posted by | Repassando... | , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: