Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Amiga, me espere lá do outro lado…

preta junho 2015 006

Você, que neste dia da foto me abraçou tão intensamente, que agradava tanto à sua mãe e era tão carinhosa com todo mundo, nos deixou sozinhos. Você, que até o último momento de consciência, teimou em responder aos meus chamados com o balançar amoroso da cauda. Você, de quem lembrar me dói profundamente, deixou apenas a lembrança do seu jeito tranquilo e teimoso de trocar carinho, do seu enfrentar estoico a qualquer rejeição eventual aos seus abraços. Que aguentava até tapas e empurrões, para não ser afastada dos braços que queria em volta de si.

Que se desmanchava com a mãe em abraços lambidos.Que olhava fundo nos meus olhos, firme no olhar e terna no brilho das retinas, nas orelhas quietas e na cauda oscilante…

Magoado e infeliz por sua partida, chego a achar compreensíveis as pessoas que fogem dos afetos de qualquer natureza, na inútil tentativa de se protegerem das dores da perda. Que apagam as luzes do gostar, erguem muros de proteção emocional, cerram cortinas e chaveiam portas. Fingindo-se de mortos…

julho ferias 037Mas minha mágoa não chega às raias da burrice emocional. Salva-me a convicção antiga de que a vida só se abre plena para quem nela mergulha de peito aberto e olhos arregalados. Sem isso, seremos sempre reféns de um purgatório de vazios mesmices. E o pior: nem saberemos se negar o purgatório nos daria uma vida melhor ou pior. Impossível saber, impossível adivinhar, até mesmo, se este purgatório realmente nos protegerá. E por assim pensar, em meio à minha tristeza, tenho como bálsamo as lembranças de sua breve vida na minha vida. Dos seus abraços. Dos seus olhares. Da sua postura calma, sentada entre as minha pernas, recebendo afagos e lambendo-me as mãos…

Agora, a cada vez que abraçar as duas que restaram, o meu coração a relembrará. Não tem jeito. Não há como ser diferente. E a cada vez, manter-se-á a minha constatação magoada (que pena que você partiu) e o meu desejo para sempre: nos aguarde no outro lado do caminho, amiga. Quem sabe lá não existam novos lagos, igarapés, matas e caminhos para brincarmos juntos?

sexta-feira, 24 julho, 2015 - Posted by | Comentário, Crônica | , ,

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: