Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Mais uma porrada nos taradinhos masoquistas do impeachment…

Cunha pode ver já na cadeia o arquivamento do processo de Bicudo.

teori

Não contavam com a astúcia de Teori

Por Carlos Fernandes

E o impeachment caminha para o mesmo fim trágico de seus idealizadores: a sarjeta da história. Se havia alguma esperança por parte da oposição em consumar um processo de impeachment baseado em nada contra a presidenta Dilma Roussef, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, jogou a última pá de cal na contenda.

Em decisão liminar, o ministro suspendeu todo o rito criado pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que incluía uma encenação teatral previamente combinada com os demais golpistas. Como essa gente possui uma certa dificuldade para entender e aceitar as determinações legais da Constituição Federal, a também ministra do STF, Rosa Weber, deferiu uma segunda liminar com o mesmo teor e que corrobora com a decisão de Zavaski.
Na prática, além de avisar a um grupo de deputados e senadores irresponsáveis que no Brasil de hoje não se aceitam mais atentados à democracia e que as instituições estão em pleno funcionamento para garantir a legalidade de seus atos, os ministros da mais alta corte do país determinaram que para dar prosseguimento a um processo de tamanha relevância para a nação, é preciso a observância do quórum constitucional da Câmara, ou seja, ao invés da maioria simples mais um dos presentes, como queria Eduardo Cunha e seus aliados, agora são necessários a aprovação do pedido por pelo menos 2/3 dos 513 deputados como está previsto em lei. O que já não era fácil agora ficou praticamente impossível.

Esse pode ter sido um dos últimos capítulos na novela mexicana que vem se arrastando desde a quarta confirmação consecutiva da vitória do PT nas urnas sobre o seu principal partido de oposição. Restaria agora aos derrotados começarem a exercer as suas funções parlamentares que desde Outubro de 2014 estão simplesmente inertes em razão de sua obsessão doentia pelo poder a qualquer custo, se ainda não existissem as sérias implicações nas quais os principais líderes do movimento golpista se atolaram até o pescoço.

Como o movimento pelo impeachment deverá se esvaziar e assim toda a “fumaça” encobrindo e desviando o foco dos verdadeiros criminosos e corruptos do país irá se desfazer, os excelentíssimos Eduardo Cunha, José Agripino e Aécio Neves deverão ter que se preocupar exclusivamente com as denúncias gravíssimas nas quais estão envolvidos.

Como existe uma grande expectativa para que nos próximos dias o procurador geral da República, Rodrigo Janot, apresente novas denúncias ao STF contra o presidente da Câmara baseado nas provas que não param de chegar da Suíça, inclusive com a prerrogativa de solicitar a sua prisão preventiva, existe até a possibilidade de Eduardo Cunha ver o pedido de impeachment protocolado por Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr. ser arquivado das masmorras da Polícia Federal.

Tudo isto está servindo pelo menos para o amadurecimento de nossa democracia, para evitar novas tentativas de desrespeito à Constituição e à nossa soberania e sobretudo, para reafirmar que no Brasil o poder só pode ser alcançado pela vontade irrestrita e declarada do povo brasileiro.

Quem sabe no futuro, mais esse triste episódio da jornada democrática e republicana de nosso país seja contada pelos livros como a última tentativa na América Latina de se subjugar toda uma nação em prol de interesses particulares e oportunistas. Talvez lembraremos dos idealizadores desse verdadeiro atentado contra o Estado Democrático de Direito, como os derradeiros vilões da república.

É possível que os argumentos jurídicos utilizados para dar vazão a toda essa insanidade, entre para os anais do Direito como a mais malfadada tentativa de depor um presidente. Mas com certeza, a história, no seu implacável julgamento daqueles que nela querem entrar, reservará um lugar de destaque para essas pessoas na sua indefectível sarjeta.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
Carlos Fernandes
Sobre o Autor

Economista com MBA na PUC-Rio, Carlos Fernandes trabalha na direção geral de uma das maiores instituições financeiras da América Latina

quarta-feira, 14 outubro, 2015 - Posted by | Repassando... | , ,

1 Comentário »

  1. UM PASSARINHO ME FALOU : ” NÃO SOBRARÁ, PEDRA DOBRE PEDRA! ” 👍

    Comentário por Maria Diana | quinta-feira, 15 outubro, 2015


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: