Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Não deixem de ler: as mentiras da TV x a realidade econômica do país…

Postado em 28 dez 2015

Compras de Natal: o mundo acabou mesmo?

Compras de Natal: o mundo acabou mesmo?

A última semana do ano nos deu uma percepção mais clara da distância entre os dados econômicos e a maneira como eles são divulgados pela grande imprensa nacional de acordo com os interesses de ocasião.

É sabido que a movimentação das compras de Natal é um forte termômetro para medir o quão aquecida está a economia do país e o poder de compra dos brasileiros.

A partir desses dados podemos ter uma idéia, apesar de que ainda insuficientes, da como andam o orçamento familiar e a capacidade de endividamento das famílias como um todo.

Com a divulgação dos números pela ALSHOP – Associação Brasileira de Lojistas de Shopping, os grandes portais de imprensa se apressaram em veicular em letras garrafais a queda de 1% nas vendas e o seu pior Natal nos últimos 10 anos.

Logo se viram obrigados a reconhecer que as vendas efetuadas no mercado eletrônico tiveram um aumento inimaginável de 26% no mesmo período. Por si só, já seria um motivo de comemoração e não de penúria como quiseram levar a crer. Mas o fato é que os números vão além.

O que apresentaram como uma queda de 1% refere-se exclusivamente ao período de 1 a 24 de dezembro em relação ao mesmo período. Se observarmos a trajetória anual em termos nominais, de janeiro a dezembro as compras em shopping centers tiveram um aumento de 1,7% em relação a 2014.

Além disso, a grande mídia também considerou desnecessária a informação de que em 2015 o país presenciou a abertura de mais 19 shopping centers em todas as regiões. Destaque para o Sudeste e Nordeste com 8 e 7 novos empreendimentos, respectivamente.

Com isso, houve um aumento no número de lojas em operação em todo o Brasil: 1.042 novas lojas para ser mais exato. No fim, o que alardearam como o apocalipse do Natal na verdade é o resultado de um saldo positivo de 30.400 novos empregos com carteira assinada nesse setor especificamente.

Todos os dados acima foram obtidos do próprio relatório da ALSHOP, ou seja, com todas as informações em mãos, a oligarquia midiática brasileira preferiu não informar, ou pior, desinformar o seu público.

Esse é apenas um exemplo do terrorismo econômico que jornalistas sem qualquer compromisso com a realidade dos fatos, ajudam a construir um ambiente desfavorável à retomada do crescimento.

Não estou aqui de forma alguma querendo deixar a entender que não passamos por momentos difíceis ou que todas as dificuldades ora enfrentadas sejam de responsabilidade exclusiva da imprensa nacional.

Passamos sim por momentos de ajustes que demandam medidas sérias e enérgicas. Mas o que se tem visto por parte da grande mídia é uma contribuição monumental para o agravamento da percepção desse momento.

Os fundamentos micro e macroeconômicos do Brasil de hoje são extremamente mais sólidos e consistentes do que nas inúmeras crises que já passamos no decorrer da história.

Para ficarmos num só exemplo, basta dizer que no dia 1.o de janeiro de 2003, quando FHC entregava a faixa presidencial ao presidente Lula, as nossas reservas internacionais somavam 37 bilhões de dólares. No fechamento de novembro de 2015 contabilizamos 357 bilhões de dólares dessas mesmas reservas.

É inegável que 2015 se encerra como o pior ano da era petista e isso a grande mídia brasileira faz questão de tornar claro. O que simplesmente estão nos omitindo é que o pior ano do PT no governo ainda é melhor do que o melhor ano dos governos FHC e Sarney juntos.

E nisso os números não mentem.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Carlos Fernandes
Sobre o Autor

Economista com MBA na PUC-Rio, Carlos Fernandes trabalha na direção geral de uma das maiores instituições financeiras da América Latina

Anúncios

quarta-feira, 30 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário

E vai piorar….

bessinha (1).jpg

quarta-feira, 30 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Nome bem mais adequado…

estado.jpg

terça-feira, 29 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário

Teste a sua verdade política…

Do facebook “Golpe Nunca Mais“:

domingo, 27 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | 2 Comentários

Herança maldita…

domingo, 27 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

O modo coxinha de fazer política…

domingo, 27 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Quem tem consistência não se verga…

 Lula dá um abraço no Chico

“Chico Buarque é um patrimônio da cultura e do povo brasileiro”
publicado 23/12/2015

chico lula e marisa

Marisa Letícia, Chico Buarque e Lula em maio de 2007 (Foto: Ricardo Stuckert/PR)

Saiu no Instituto Lula:

Um abraço ao amigo Chico

Chico Buarque é um patrimônio da cultura e do povo brasileiro; nosso maior artista, o mais fino intérprete da alma de nossa gente. É admirado, por tudo o que fez e faz na música e na literatura, e respeitado, como cidadão consciente que jamais se omitiu nas lutas pela democracia e justiça social. Um brasileiro com essa trajetória, e que tem no sangue a herança do professor Sérgio Buarque e de dona Maria Amélia, não merece ser ofendido, muito menos por sua coerência. É muito triste ver a que ponto o ódio de classe rebaixa o comportamento de alguns que se consideram superiores, mas não passam de analfabetos políticos. Apesar de vocês, amanhã há de ser outro dia. Receba, querido Chico, nossa solidariedade, sempre.

Lula e Marisa

quarta-feira, 23 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | 1 Comentário

Incompetentes, corruptos e bloqueados pelo contraditório da Internet…

Por que Golpe de 64 jamais se repetiria em 2015

Coloque os bacharéis da UDN Golpista ao lado do Gilmar PSDB-MT!​
publicado 20/12/2015
bessinha ministro maluquinho

Em 1964, o Golpe tinha os Estados Unidos, o embaixador americano, o chefe da CIA no Brasil e a Quinta Frota a caminho.

Em 2015 não tinha.

Em 1964, o Golpe tinha o mensalão do IBAD.

Tinha o IPES do General Golbery com sua plêiade de empresários paulistas e intelectuais de renome.

O Golpe de 2015 não tinha Golbery: seus substitutos e exegetas não chegam perto em esperteza.

Embora sejam igualmente golpistas e americanófilos.

O Golpe de 64 contou com intelectuais equivocados, mas, de respeitáveis: Antonio Callado, Carlos Heitor Coni, que estudou para padre, Otto Lara Resende, Odylo Costa, filho, Rubem Fonseca, Alberto Dines, Wilson Figueiredo.

Quem são os intelectuais do Golpe de 2015?

Ataulpho Merval de Paiva, a Urubóloga, essa Ilustre colonista da Fel-lha, e o Gaspari (se você conseguir entender o que ele diz, ao fim da décima leitura do mesmo parágrafo).

Por isso, o Gaspari se chama, aqui, de o dos chapéus.

Uns medíocres que se fazem importantes com a repetição: como se a estultice tantas vezes repetida se tornasse sabedoria.

Repetição no jornal, na rádio, na tevê aberta, na tevê paga, nos blogs  – e nas conferências que os bancos pagam, como subsídio velado.

Ponha um Merval ao lado do Callado.

A Urubóloga ao lado do Coni.

A Ilustre ao lado de … do … qualquer um.

O Gaspari ao lado do Dines.

(Ele, o de chapéu, vai adorar a sugestão…)

A comparação revelará o abismo que os separa: uns tinham solidez, quilômetros de livros lidos, tinham abrangência, alcance.

Eram Golpistas, mas não eram parvos.

Sabiam escrever o próprio nome.

Não são os “intelectuais” do Golpe de 2015.

(Suspeita-se que a Ilustre jamais tenha lido um único livro.)

São esses intelectuais de 2015 que usam o amplo espaço da Democracia brasileira para tentar destrui-la.

Outro intelectual de 2015 é o Ministro do PSDB-MT, o Ministro Sic Gilmar, do Supremo.

Coloque-o, amigo navegante, ao lado dos “bacharéis da UDN”.

Da UDN de 1964.

Todos Golpistas como o Ministro do PSDB-MT.

Mas, compare Gilmar com Milton Campos, Prado Kelly, Bilac Pinto, Pedro Aleixo, Adauto Lucio Cardoso.

Gilmar fica do tamanho de um rábula de Diamantino.

Um provincianoto com verniz de germanófilo.

Nunca viveu fora do eixo Diamantino-Brasilia.

Tem a visão de mundo de uma barata.

O Golpe de 1964 tinha no Congresso o Carlos Lacerda, máximo Golpista, profissional do Golpe.

Mas, compare-o com os congressistas Golpistas de 2015.

O Eduardo Cunha.

Ponha Cunha, Aecím, Ferraço, Pauzinho, Caiado, Mendonça Filho, Cunha Lima  – essa armada brancaleone ao lado do Lacerda.

Lacerda diria deles: são o efeito do purgante , como disse a um Cunha que o chamou de “purgante”.

O Golpe de 1964 tinha as Forças Armadas.

Hoje não tem.

As Forças Armadas se dedicam exclusivamente à superior tarefa de defender a Soberania Nacional dos que cobiçam as riquezas da Amazônia Azul.

O Golpe de 1964 tinha uma razão Moral, digamos assim.

No ambiente da Guerra Fria, o Brasil fazia parte do quadro de valores impostos pelos americanos, os vencedores da II Guerra – ao lados soviéticos, que entraram primeiro em Berlim, e dos chineses do Mao, que massacraram e imobilizaram os japoneses, depois de Nanquim.

Mas, aqui, parecia que só os americanos ganharam a Guerra.

E, na luta entre a Democracia americana  e o Comunismo, a classe média brasileira se inclinou para o lado americano.

Qual é o argumento “moral” do Golpe de 2015?

O combate à corrupção?

É uma tentativa de recriar a polaridade.

Se, antes, era a Democracia vs o Comunismo que comia criancinhas, agora é a corrupção do Estado (petista) vs a virtude privada.

A virtude do André Esteves, esse campeão do empreendedorismo pátrio!

Esse herói da Avenida Faria Lima!

Das empreiteiras que fizeram o Alckmin e o Cerra naufragar nas mãos da Conceição Lemes.

A virtude privada do Ricardo Sergio de Oliveira.

Do Preciado.

Do Paulo Afrodescendente.

Do sócio da filha do Cerra naquela sorveteria.

Quá, quá, quá!

A virtude privada dos sonegadores da Zelotes.

À falta de um argumento “moral”, os Golpistas tentaram usar o coitado do vice decorativo.

Um inocente (em termos) útil.

Só ele achava que os tucanos iam dar o Golpe para que Temer e o Wellington, aquele amigão do Paulo Dote, governassem o Brasil.

Os tucanos já tinham até nomeado o Ministro da Fazenda, o Padim Pade Cerra.

O Temer seria promovido de mordomo a rainha da Inglaterra.

O Golpe de 2015 não tinha uma linha de comando definida, clara, como em 1964.

Ia ser um general.

A Vaca Fardada, o Castello ou o Costa.

E foi um general.

(Os dois segundos mereciam o epíteto do primeiro.)

O Golpe de 2015, não!

Podia ser o Cunha, o Temer, o Cerra, o Aecím!

O FHC, por aclamação – em Higyenopolis!

Os Golpistas estavam e estão irremediavelmente divididos.

E tomara que a Presidenta tenha a clareza de manter a Casa Grande dividida como está hoje.

E  governar também com a franja progressista da Casa Grande.

Floriano enfrentou a monarquia e os carcomidos em aliança com a cafeicultura paulista, que, naquela altura, significa progresso.

Vargas não se cansou de recorrer a empresários  – Horácio Lafer, José Ermirio de Moraes – para fazer avançar a agenda social.

Porque a Casa Grande que tem a sede em São Paulo não tem base social.

Os tucanos não têm candidato a governador e o candidato a Prefeito da preferência do Alckmin vai fazer comício em Sapopemba numa BMW.

Quem simboliza a Casa Grande paulista, hoje?

O Skaf, presidente da FIE P, um industrial da galpão?

O João Dória, que vive de apresentar ricos a políticos e políticos a ricos?

O Cerra, o Alckmin, que ainda serão tragados na Lava Jato?

O Otavím?

O FHC, que não controla a… nem a vaidade?

O Golpe de 1964 não se reproduziria jamais em 2015.

Porque, se, em 1964, o Golpe tinha líderes civis, em 2015 não teve nada que se possa chamar de “líder”.

Os Golpistas de 2015 são diferentes dos Bourbon.

Os Golpistas de 2015 não aprenderam nada e esqueceram tudo.

Dilma governará até o dia 1º de janeiro de 2019, quando passará o poder ao Lula ou a quem o Lula apoiar.

Porque os defensores da Legalidade botam mais gente na rua que os Golpistas.

Paulo Henrique Amorim

segunda-feira, 21 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Eis a reserva moral do PMDB (pescaram o Traíra?)…

Temer, a casa caiu!

Bem que o Ciro dizia: Temer come na mão do Cunha
publicado 19/12/2015
bessinha saudade do severino

Saiu na Fel-lha:

Em mensagem, Cunha cita repasse de R$ 5 milhões a Michel Temer

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, reuniu indícios de que o vice-presidente, Michel Temer (PMDB), recebeu R$ 5 milhões do dono da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Leo Pinheiro, um dos empreiteiros condenados em decorrência do escândalo da Petrobras.

A informação sobre o suposto pagamento a Temer está em uma das manifestações do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, que fundamentou as buscas da Operação Catilinárias, deflagrada na última terça-feira (15).

A menção ao pagamento está em uma troca de mensagens entre Pinheiro e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em que o deputado reclama que o empreiteiro pagou a Temer e deixou “inadvertidamente adiado” o repasse a outros líderes peemedebistas.

segunda-feira, 21 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

O ovo da serpente (PF) busca a eclosão…

Sórdido o que a PF do zé faz com o Lula

Não acusam Lula de nada! É só para ameaçá-lo
publicado 19/12/2015
bessinha lava jato da pf

Sórdido o que deixa, consente, admite que a PF faca com o Lula.

Sobre o interrogatório em si, o Fernando Brito descreve melhor do que ninguém, ao tratar daPF do japonês: não há acusação contra Lula.

É só para desmoralizar um Presidente da República e preparar o terreno para o Moro prendê-lo – algemado para o jn.

Lembra a SS, a Lubianka…

O saudoso Coronel Ustra…

Esse é a PF do carcomido Ministro (sic) da Justiça.

Mas tem outra sordidez.

Tratava-se de um depoimento sigiloso, de um Presidente da República numa “investigação” de uma instituição pública.

E o jn recebe o vazamento como a matéria de principal destaque de sua edição vespertina.

Um escárnio.

Essa é a PF do zé: que grampeia mictório de preso e vende delação do Cerveró.

O ze transformou a PF num centro de sedição.

E num covil !

Paulo Henrique Amorim

domingo, 20 dezembro, 2015 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário