Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

E as custas judiciais da “bolinha assassina”, quem paga?

É um descalabro o que ocorre neste país, em termos da sub-utilização da esfera judicial. Um exemplo cristalino foi a farsa demotucana sobre o atentado da bolinha à careca do Zeca, nas últimas eleições. Um candidato sacripanta que finge ser traumatizado por uma bolinha de papel, uma imprensa irresponsável e golpista que despudoradamente ajuda-o a forjar um atentado, um médico que esquece a ética para legitimar a pantomina, e um judiciário que é obrigado a receber uma queixa formal sobre esta palhaçada toda. Gastaram-se nisso tudo, tempo médico que poderia estar salvando vidas, trabalho de profissionais para dar veracidade ao factóide, tempo midiático para divulgar a armação e desgastes éticos e morais em insultos à inteligência dos cidadãos. Mas, o pior não é isso: juizes e funcionários judiciais, pagos com o nosso dinheiro, gastaram tempo enorme para tramitar, analisar e sentenciar a interpelação recebida, chegando ao previsível resultado: arquivamento. Enquanto isso, milhares de processos importantes (como os da Ficha Limpa e outras tranbicagens), continuam na fila de espera. Pior ainda: estes custos ocorridos jamais serão reembolsados ao erário público.

Certo tipo de coisas neste país são como diz o povão: _ Só matando!!!

_____________________________

Agência Estado
 

STF arquiva caso da ‘bolinha de papel’ contra Serra

Seg, 27 Dez, 11h05

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o arquivamento de interpelação feita pelo médico Jacob Kligerman contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O médico queria que Lula explicasse por que chamou de “farsa” o episódio em que o então candidato do PSDB à Presidência, José Serra, foi atingido por um objeto semelhante a uma bobina de adesivo, em um tumulto entre militantes do PSDB e do PT durante a campanha eleitoral no Rio de Janeiro, em outubro.

Anúncios

segunda-feira, 27 dezembro, 2010 Posted by | Comentário, Repassando... | , | Deixe um comentário