Livre pensar é só pensar!

Para não desligar os neurônios

Em época de Olimpíadas, o Trairão ganha medalha de ouro em rejeição…

Michel 6% Temer acaba de bater o recorde histórico de rejeição.

Postado em 26 Jul 2016

Fiasco instantâneo

Fiasco instantâneo

Michel. Michel Temer. Mas pode chamá-lo de Michel 6% Temer.

O resultado da pesquisa Ipsos divulgada hoje é categórico: Temer é um fiasco. Um monumental fiasco.

Apenas 6% dos brasileiros aprovam o interino. Isto é metade do que Dilma tinha em sua etapa final na presidência, sob bombardeio ininterrupto da mídia e da Lava Jato.

Quer dizer: não é metade. É menos que metade. Dilma tinha quase 14% de aprovação.

Pronto. Isto é Michel 6% Temer. A mídia o protege descaradamente, a Lava Jato sumiu de circulação, a cobertura de corrupção de jornais e revistas virou nada: mesmo assim, Temer é amplamente rejeitado pelos brasileiros.

Num mundo menos imperfeito, os 6% seriam manchete dos jornais, e ocupariam vários minutos do JN.

Mas este nosso mundo é extremamente imperfeito, e então a mídia silencia. Mas isto não elimina os 6%.

É o pior índice de aprovação desde que este tipo de coisa passou a ser pesquisada. Collor, na véspera de seu impeachment, era aprovado por 9% das pessoas. Desnecessário dizer que nenhum jornal notou isso. Notariam se fosse um petista. Gritariam, melhor.

O Brasil, em suma, não quer Temer.

A plutocracia subestimou os brasileiros, este é o ponto. Achou que podia ludibriá-los. Os golpistas inventaram um pretexto que se revelou uma farsa cínica, as pedaladas.

Quando se tornou consenso que não houve pedaladas, a plutocracia alegou que isso não importava. Dilma seria afastada fosse inocente ou fosse culpada.

O golpe ficou inteiramente avacalhado. Não é justo com o Paraguai chamá-lo de golpe paraguaio.

É típico de um país ridículo montar um julgamento de meses cujo resultado se conhece de antemão porque os juízes são políticos sem nenhuma qualificação ética e moral.

O resultado disso é Michel 6% Temer.

É certo

Isso só vai piorar, caso o impeachment se concretize. Parece ter-se consolidado, com os fatos escabrosos em torno do golpe, a ideia de que Temer é o vilão e Dilma a vítima da história.

A Ipsos mostrou que diminuiu 13 pontos porcentuais o número de brasileiros que apoiam o impeachment de Dilma. De 61% passou a 48%.

Um vice decorativo não se transforma em estadista porque os Marinhos, os Frias e os Civitas querem.

Michel 6% Temer está aí para provar.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Anúncios

quarta-feira, 27 julho, 2016 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário

Ao canalha que veio do nada e caminha para lugar nenhum…

‘Você acabou até com a festa das Olimpíadas’: carta aberta a Michel Temer.

Postado em 24 Jul 2016

Uma calamidade pública

Esta é mais uma das Cartas aos Golpistas. No futuro, elas poderão ser reunidas num livro que recapitule o golpe de 16.

Caro Temer: você conseguiu destruir até a alegria que deveria preceder um acontecimento como as Olimpíadas.

Você não é apenas um golpista. É um destruidor.

Um destruidor de esperanças, um destruidor de futuro, um destruidor de sorrisos e de alegrias.

Você também é um péssimo exemplo de caráter. Passará para a história como aquele que apunhalou pelas costas 54 milhões de votos.

Você simboliza o atraso no conteúdo e na embalagem, com suas mesóclises arcaicas e com seus maus versos.

Até seu casamento é um clichê: o velho rico e botocado e a linda menina pobre. Ao ver o casal a grande máxima de Nelson Rodrigues é inevitável: “O dinheiro compra até o amor verdadeiro.”

Você não chega a ser um plutocrata. É um servo, é um fâmulo da plutocracia. Foi usado circunstancialmente pelos plutocratas para tirar na marra do poder um governo que cometeu o crime de colocar os miseráveis na agenda.

O povo não reconhece pessoas como você.

Um terço dos brasileiros sequer sabe seu nome. Apenas um entre sete aprova seu governo. Quatro entre dez entendem que você chegou ao Planalto por um processo sujo — e isso mesmo com todo o apoio da imprensa.

Não importa o que aconteça, você já fracassou. Não há nada que você possa fazer para mudar isso. Não há nada que jornais e revistas possam fazer para elevá-lo do abismo a que a traição o conduziu.

Veja, por exemplo, o que ocorreu com a Folha de S. Paulo ao tentar inflá-lo articificialmente por meio de uma fraude numa pesquisa Datafolha.

A Folha saiu desmoralizada. O Datafolha saiu desmoralizado. Até o Globo saiu desmoralizado ao atribuir as críticas a “blogs petistas”, uma canalhice desmentida pela própria ombudsman da Folha, que reconheceu o erro.

E você saiu também desmoralizado: a mídia pode muito, mas não pode transformar um político de terceira categoria num estadista.

Você foi uma vergonha até como interino. Agiu indevidamente como se fosse titular. Usou a caneta provisória para comprar a permanência numa posição que não é a sua. Distribuiu sem nenhum pudor cargos para senadores corruptíveis, que se deixam seduzir pelo brilho frio das moedas.

Caro Temer: cada dia com você é um dia a menos para o avanço do país rumo a uma sociedade menos abjetamente injusta.

Um estadista traz luzes para um país. O senhor traz sombras.

Sinceramente.

Paulo

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

segunda-feira, 25 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

A Dengue moral que assola o país…

Conheça a Temerite, a doença que deixa os brasileiros prostrados mesmo às vésperas das Olimpíadas.

Postado em 08 Jul 2016

Uma calamidade públicaUma calamidade pública

Falta menos de um mês para as Olimpíadas, e o Brasil está melancólico.

Nada remete ao sentimento de festa e expectativa que normalmente deveria se espalhar pelo país numa situação destas.

O mal que aflige o país chama-se temerite. É a melancolia derivada da figura depressiva de Michel Temer.

A mera existência de Michel Temer entristece e rebaixa os brasileiros.

Num momento em que o país necessita dramaticamente de alguém que empolgue e devolva o otimismo e a autoestima à sociedade, Temer é o exato oposto disso.

Não vou nem falar da forma imunda como ele chegou ao poder, que isso já é suficientemente conhecedo. Também não vou citar as pesadas suspeitas de corrupção que pesam sobre ele. E vou deixar de lado sua ligação de irmão siamês com Eduardo Cunha.

Vou me deter em outra coisa: Temer não tem nenhuma das características que um líder deve ter.

Imagine uma empresa em crise. É essencial, para ela não morrer, que um líder faça os funcionários acreditarem que uma virada é possível. Tem que ser alguém que fascine, inspire confiança, seja visto como um capitão e um visionário.

Temer não preenche nenhuma das características acima. Ele não é sequer respeitado pela plutocracia que o pôs no Planalto pela porta dos fundos. É ridículo com seu palavreado arcaico em que aqui e ali são apostas mesóclises que já no tempo de Jânio Quadros eram ultrapassadas.

Numa corporação, alguém como Temer jamais chegaria ao topo, sobretudo em circunstâncias complicadas que demandam um choque de fé, de esperança.

Ele pareceria, numa corporação sob risco de vida, muito mais o coveiro do que o ressuscitador.

E é este homem que está na presidência do Brasil. Isto é uma tragédia nacional.

Será terrível se ele permanecer onde está até 2018. Uma calamidade. Lamentavelmente, as chances de que isso ocorra não são pequenas.

As ruas não se ergueram contra ele e contra o golpe, não, pelo menos, na medida que se impunha. É como se a esquerda tivesse se resignado, ou por preguiça ou por falta de crença em sua capacidade mobilizadora. Até os jovens secundaristas estão com os traseiros no sofá.

Tudo isso resulta numa imensa apatia, numa tristeza funda, soturna, brutalmente imcompatível com o alarido feliz que deveria antecipar as Olimpíadas.

É a temerite, uma doença que por muitos anos atormentará os brasileiros — mesmo depois que o vírus que a provocou, Temer, for apenas uma nota de rodapé na história.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

sexta-feira, 15 julho, 2016 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário

Cadê o Play Boy do Leblon?

Cafezinho: o prontuário do Aecím e a cumplicidade do PiG

publicado 08/07/2016
Bajonas Teixeira pergunta: cadê o Aecím?
Aécio_Cova.jpg

Excelente levantamento dos amigos do Cafezinho sobre Aécio:

Inventário das denúncias contra Aécio e a Cobertura da Mídia

Fazemos aqui um apanhado resumido das más notícias contra Aécio desde meados de 2014, e das táticas com as quais a mídia as vem cobrindo, e encobrindo, desde aquela época. Damos atenção especial aos últimos eventos (uma enxurrada de denúncias vindas dos quatro cantos do submundo político), que parecem ter afetado a imagem de Aécio, ao ponto de fazê-lo desaparecer da cena pública.

Em alguma das passagens secretas e terceiras dimensões da realidade brasileira, que é cheia de buracos como um queijo suíço, Aécio se enfiou e desapareceu.

O mais interessante, é que a imprensa não colocou nenhum repórter perdigueiro na pista dele, não procurou desentocá-lo à bem da opinião pública ou dar ao leitor o mínimo de informação sobre o assunto. E tudo foi muito abrupto. De um dia para o outro, Aécio não estava mais entre nós. Ao invés de cumprir o que tinha dito, “Vamos dar a nossa contribuição e ser julgados lá na frente”, ele preferiu dar no pé na calada da noite sem dizer para onde e sem se despedir.

A grande imprensa brasileira nem sequer menciona esse estranho e súbito desaparecimento. Parece que nem lembra que existiu um Aécio, nascido em Minas, líder máximo da oposição, presidente do PSDB, moço sorridente e boa praça. É como se ele nunca tivesse existido. A única prova que temos da sua existência, hoje, é seu perfil na Wikipédia. A Globo não recorda dele, talvez porque isso faça lembrar que Aécio é um dos pais do governo Temer. Na Folha/UOL, Aécio prima pela ausência, como um rosto desbotado numa multidão de faces desconhecidas.

A quem ocorra jogar o nome de Aécio na pesquisa do Google, verá que nas últimas semanas os grandes portais e jornais não fazem qualquer menção a ele.

Apenas para tentar verificar a hipótese de que, não faz muito tempo, existiu um sujeito chamado Aécio Neves, que respondia pela presidência do PSDB, acumulando ainda o posto de líder da oposição, e que costumava acusar o governo Dilma de corrupção, faremos o breve inventário que segue, contabilizando o catálogo das denúncias e as formas como a mídia vem lidando com elas. Resumidamente, os fatos são os seguintes:

Julho 2014
– Eclode o escândalo do aeroporto construído com dinheiro público dentro da fazenda do tio-avô e a poucos quilômetros de uma propriedade de Aécio (A mídia toda deu a notícia, contudo, o fez sem escândalo e sem gritos de indignação. Prevaleceu a ‘isenção’ e bom tom da ‘imprensa equilibrada’, quando os acusados são os amigos)

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/07/1488587-governo-de-minas-fez-aeroporto-em-terreno-de-tio-de-aecio.shtml

Dezembro de 2014 – A revista Veja elege Aécio o pior Senador do país (Numa lista de 74 senadores, Aécio foi o único a receber nota 0). Ainda que não possamos perscrutar os motivos da Veja, o fato é que em outras publicações e na imprensa em geral, o assunto apareceu em tom menor, quase em surdina.

http://noticias.band.uol.com.br/cidades/noticia/100000727781/revista-elege-aecio-o-pior-senador-do-brasil.html

23 de setembro 2015 – O uso de avião do governo de MG por Aécio para realizar 124 viagens ao Rio de Janeiro é objeto de matéria daFolha de SP. (Exatamente como nos casos anteriores, a mídia se mostrou fria, distante e equilibrada).

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/09/1685171-aecio-usou-aviao-de-mg-para-ir-124-vezes-ao-rio.shtml

03 de dezembro 2015 – Conselho Superior do Ministério Público de Minas Gerais decide arquivar inquérito sobre aeroporto em terra de tio-avô de Aécio (A mídia, é claro, não deu um pio. Só noticiou o fato, como se fosse tão óbvio quanto o reajuste dos relógios no fim do horário de verão).

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/12/1714443-promotoria-arquiva-inquerito-sobre-aeroporto-em-terra-de-tio-avo-de-aecio.shtml

15 de março 2016 – Delcídio do Amaral afirma que Aécio recebeu propina de FURNAS e agiu para maquiar dados (Como a neutralidade aqui não era possível, quase sempre tivemos estratégias para amenizar: manchete grande, mas permanência curta nas homes, por exemplo).

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/03/1750108-aecio-recebeu-propina-de-furnas-diz-delcidio-em-delacao.shtml

22 de março 2016 – A denúncia do dia 15 não impede que sete dias depois, o UOL destaque um “flerte” de Temer e Aécio (ver Foto), desfazendo através desse protagonismo político registrado em foto um pouco do clima negativo deixado pelas denúncias do dia 12.

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/02/1736715-e-um-terco-sp-um-terco-nacional-e-um-terco-aecio-diz-delator-sobre-furnas.shtml

22 de março_Aécio e Temer_Depois de denúncias Delcídio Furnas Aécio

09 de abril 2016 – Procuradores dizem ter indícios para pedir investigação contra Dilma e Aécio (A informação foi dada com indiferente e distância na mídia).

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/04/09/procuradores-veem-indicios-contra-dilma-e-aecio.htm

20 de abril 2016 – Como se fosse a coisa mais natural do mundo, o UOL estampa uma chamada dos tucanos a Delcídio para salvar Aécio e atacar Dilma.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/04/20/tucanos-negociam-recuo-de-delcidio.htm

27 de abril 2016 – G1 e O Globo destacam declaração de Aécio “Vamos dar a nossa contribuição e ser julgados lá na frente” (É notável que a foto escolhida para ilustrar a matéria mostre Aécio ao fundo, sob um véu desfocado, como que sumindo da zona de visibilidade).

http://oglobo.globo.com/brasil/vamos-dar-nossa-contribuicao-ser-julgados-la-na-frente-diz-aecio-apos-encontro-com-temer-renan-19177428

02 de maio 2016 – No G1 em fonte diminuta aparece a informação “Janot pede para STF investigar Aécio, Cunha e Edinho”

sábado, 9 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

A Lava Jato tá lavando dinheiro das instituições lesadas?

Lava Jato desvia dinheiro das multas

Nassif: Vara de Guantánamo faz as próprias leis!
publicado 09/07/2016
bessinha (3).jpg

O Conversa Afiada reproduz matéria do GGN:

Equipe da Lava Jato pode receber R$ 60 milhões de Sérgio Machado

O ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, anunciou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que já pagou a primeira parte dos R$ 75 milhões de multa prevista em seu acordo de delação na Operação Lava Jato. O GGN revela que a equipe de procuradores da Lava Jato continua contrariando decisão do ministro Teori Zavascki, que ordenou a destinação de 100% da multa ao lesado, que no caso são as empresas Petrobras e a Transpetro. Ao contrário, apenas 20% foram encaminhados à estatal e 80% à União, com o objetivo de repassar aos núcleos do MPF e da PF que atuam na Lava Jato.

A primeira parte já transferida por Machado foi de R$ 8 milhões do total da multa acordada com o Ministério Público Federal para o acordo de delação premiada. Desse montante, seguindo cláusula do termo de colaboração, R$ 1,6 milhão foi para a Petrobras e R$ 6,4 milhões para a União – com o intuito de investir na estrutura de investigação da Lava Jato.

No dia 27 de junho, o GGN publicou que a equipe de procuradores da força-tarefa, comandada por Carlos Fernando dos Santos Lima, adicionou uma cláusula nos acordos de delação que repassava 20% da multa à equipe. A Folha de S. Paulo revelou que o destinatário era expressamente a conta da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, comandada por Sergio Moro.

Mas nos termos firmados, não estava claro se a destinação dos recursos era para os setores do MPF e da PF, uma vez que constava “União” como a recebedora da quantia.

Por esse motivo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou uma solicitação para Teori Zavascki de que esse montante de 20% para a União fosse, na verdade, para a força-tarefa. O procurador Carlos Fernando dos Santos chegou a admitir que a equipe definiu um “critério” próprio para determinar quanto receberia.

“Definimos duas alíquotas, uma de 10% para acordos maiores e [outra de] 20% para acordos de menor valor. Não existe obviamente nenhum fundamento científico nisso, mas se trata da construção de uma prática do direito sancionador negocial”, disse, em entrevista à Folha.

“Os órgãos de persecução se beneficiariam muito do aporte de recursos para a aquisição de equipamentos e softwares sofisticados, essenciais em investigações modernas e eficientes”, disse ainda.

Entretanto, aquele pedido de Janot foi negado por Teori, que determinou o repasse não de 80%, mas de 100% à empresa lesada, no caso a Petrobras. Ao ser questionado sobre a determinação do ministro do STF, Carlos Fernando respondeu que era preciso “insistir”.

O GGN revela, agora, que os procuradores realmente seguem insistindo. Mas, no acordo de Sérgio Machado, a cláusula é ainda mais ousada: não são acordados 80% à Petrobras, mas 20%. A grande maioria da multa de R$ 75 milhões do ex-presidente da Transpetro vai para a “União”, mesmo termo usado pelos procuradores para tentar, posteriormente, repassar a quantia às equipes de investigação.


Pelas contas de Carlos Fernando, naqueles últimos dias de junho, contabilizando os 20% “devidos” por Paulo Roberto Costa e outros delatores, além das empreiteiras Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, em acordos de leniência fechados – sendo que a primeira recebeu o montante de R$ 1 bilhão de multa, e a segunda R$ 700 milhões, a força-tarefa da Lava Jato receberia mais de R$ 300 milhões na conta da Vara Federal de Curitiba.

Aos procuradores do MPF, se a eles destinados esses 80% da União da multa de Machado, serão acrescentados R$ 60 milhões.

Leia, abaixo, a íntegra do Termo de Colaboração de Sergio Machado e a decisão de Teori Zavascki, em junho deste ano:

Termo de Colaboração de Sergio Machado

Decisão de Teori Zavascki de 100% a Petrobras

sábado, 9 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

O prostíbulo moral do Trairão quer tornar-se também um cassino…

Cachoeira e Temer vão juntos aos cassinos

Nassif denuncia coincidência: ontem e hoje…
publicado 06/07/2016
cachoeira michel temer.jpg

O Conversa Afiada reproduz matéria do GGN:

Cachoeira pediu para Temer encaminhar regularização de jogos de azar

Março de 2012. O ex-senador Demóstenes Torres, que chegara a estampar reportagens de Veja como um “mosqueteiro da ética”, vira o centro das atenções após cair em grampos da Polícia Federal na Operação Monte Carlo, que investigava o bicheiro Carlinhos Cachoeira. Na edição do dia 31 daquele mês e ano, Folha de S. Paulo publicou um diálogo entre Demóstenes e Cachoeira, no qual o bicheiro pediu que Michel Temer (PMDB) encaminhasse um projeto de lei que regulariza os jogos de azar.

O diálogo foi usado na reportagem “Gravações revelam favores de senador para empresário”. A conversa se deu no dia 24 de abril de 2009, quando Temer era deputado e presidente da Câmara.

Cachoeira diz: “Aquele negócio que eu pedi pra você olhar lá. Já chegaram lá? Aquela lei do Maguito?”

Demóstenes responde: “Já chegaram lá. Ela está na Câmara…”

Cachoeira: Pois é, você tinha que trabalhar isso aí com o Michel [Temer], né? Para por em votação…

Demóstenes: Lá isso passa por votação simbólica. Como passou no Senado.

O trecho foi usado para acusar Demóstenes de usar o mandato em nome dos interesses de Cachoeira, que foi preso recentemente na Lava Jato.

A regularização dos jogos de azar é um assunto que volta e meia entra em pauta, sempre que o governo está em crise e busca fontes de receita.

Na época do Cachoeiragate, Demóstenes apareceu alertando que trechos do projeto de regularização de jogos discutido no passado prejudicavam as atividades do bicheiro.

Hoje na presidência em virtude o impeachment de Dilma Rousseff (PT), Temer permite que o núcleo duro do governo trabalhe para aprovar o projeto de lei do Senado (PLS) 186/2014, que consta na Agenda Brasil – conjunto de propostas que o PMDB diz ter apresentado para tirar o País da crise. Geddel Vieira Lima e Henrique Alves, por exemplo, foram citados em reportagem apontando que o PLS seria uma fonte de receita conveniente em meio à situação econômica atual.

O PLS está inserido na ordem do dia, com previsão de ser votado no Senado nesta quarta (6).

Nas contas do governo, a liberação de cassinos e regularização de bingos e caça-níqueis, entre outros pontos, renderia à União uma receita anual de R$ 15 bilhões.

No passado, Temer, enquanto vice-presidente, fez lobby pela regularização. Um jornalista ligado a Cachoeira chegou a publicar que Temer usava um assessor pessoal pra fazer interface com o então presidente da Abrabin (Associação Brasileira do s Bingos).

No governo Lula e início do governo Dilma, o projeto foi ofuscado por escândalos de corrupção envolvendo Cachoeira.

Na CPI de 2012, instaurada na Câmara e Senado após as revelações da Monte Carlo contra Demóstenes e o bicheiro, Temer apareceu novamente. Dessa vez, como um dos membros da cúpula do PMDB – incluindo Eduardo Cunha – que trabalharam duro para evitar a convocação de Fernando Cavendish – também preso na Lava Jato – para depor na CPI. Cavendish era sócio oculto de Cachoeira e dirigente da Delta. A empreiteira, àquela época, era a que mais atuava junto ao governo federal em obras do PAC.

Artigo do jornalista Leandro Fortes, em CartaCapital de maio de 2012, mostrou envolvimento de Temer para impedir, inclusive, que a CPI do Cachoeira avançasse contra jornalistas.

Fortes escreveu: “Desde o início de maio, Temer tornou-se uma espécie de mensageiro da família Marinho. O vice de Dilma tem ouvido e repassado os recados do grupo que comanda a Globo ao governo e aos integrantes da CPI do Cachoeira. E que pode ser resumido em um ponto: a mídia não pode virar alvo na CPI. Isso inclui deixar de fora a mais explícita das relações do bando de Cachoeira com os meios de comunicação: aquela estabelecida com a revista Veja.”

O jornalista referia-se a outra descoberta da Operação Monte Carlo: a de que Cachoeira teria fortes relações com repórter de Veja, Policarpo Junior, a ponto de decidir quando emplacar matérias contra seus adversários na revista semanal.

No final, o time de Temer teve sucesso: a CPI do Cachoeira – que também recebeu ajuda do PT para ser freada – entregou um relatório de uma página e meia, sem indiciar ninguém, muito menos jornalistas. O caso foi sumindo do noticiário tão logo o julgamento do mensalão foi tomando conta daquele segundo semestre de 2012.

Artigo da jornalista Helena Chagas, publicado no portal Os Divergentes, nesta quarta, mostra que o governo Temer tem sofrido pressão para aprovar o projeto de regularização dos jogos.

“O Planalto tem se mantido à distância da discussão porque o assunto é uma bola dividida, mas o governo, nos bastidores, apóia a aprovação do projeto que legaliza os jogos de azar, que será votado hoje pelo Senado. (…) Aliados vêm tratando do assunto na surdina já foram procurados por grandes grupos hoteleiros internacionais interessados em implantar no Brasil resorts com cassinos – modalidade prevista pelo projeto em discussão”, escreveu.

A ideia, contudo, sofre forte resistência de setores que consideram os jogos de azar uma forma de lavagem de dinheiro para criminosos de colarinho branco e traficantes.

“E é por isso que o governo não saiu ainda na defesa aberta do projeto. Michel Temer não quer, por enquanto, comprar briga com setores como o Ministério Público. (…) Há também problemas com a bancada evangélica.”

quinta-feira, 7 julho, 2016 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário

Venda da TV Globo: o golpe dentro do Golpe?

Globo vai ter que explicar venda

Pimenta: será acerto de contas do Golpe?
publicado 06/07/2016
bessinha globo 2.jpg

Do Viomundo:

Globo: Kassab terá que prestar esclarecimentos à Câmara dos Deputados

por Paulo Pimenta, enviado pelo seu gabinete

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, Gilberto Kassab, terá que prestar esclarecimentos à Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados sobre o decreto que “autoriza a transferência indireta da concessão de serviço de radiodifusão de sons e imagens outorgada à Globo”. O requerimento, de autoria do deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS), foi aprovado nesta quarta-feira (6).

O deputado Paulo Pimenta quer que Kassab especifique quem são os grupos de cotistas ou acionistas envolvidos na transferência de mando das concessões elencadas. De acordo com Pimenta, chama atenção, em tão pouco de governo interino, a edição de uma medida em favor da Rede Globo, principal entusiasta do golpe contra a Presidenta Dilma Rousseff.

“Pode ser um acerto de contas entre Temer e a Globo. Como sabemos, o governo interino de Michel Temer é dado a tomar decisões às escondidas, sem transparência, na calada da noite, portanto, queremos que os efeitos desse decreto sejam melhores expostos à sociedade. Por essa razão, requerermos informações ao ministro Gilberto Kassab do ato em questão, bem como queremos detalhes dos grupos de cotistas ou acionistas envolvidos na transferência”, adiantou Pimenta.

Conforme definido no Decreto nº 52.795/1963, a transferência indireta se dá “quando a maioria das cotas ou ações representativas do capital é transferida de um para outro grupo de cotistas ou acionistas que passa a deter o mando da sociedade”, ou seja, quando há mudança dentro do mesmo conjunto atual de acionistas e cotistas.

No dia 27 de junho de 2016, o governo interino de Michel Temer editou Decreto autorizando a transferência indireta da concessão de serviço de radiodifusão de sons e imagens outorgada à Globo Comunicação e Participações S.A., em municípios dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Pernambuco, Distrito Federal e Brasília.

quinta-feira, 7 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Uma voz democrática e esclarecida peitando o partidarismo judiciário….

Parabéns entusiasmados a Marilena Chauí por desconstruir Moro e a Lava Jato.

Postado em 05 Jul 2016

Clap, clap, clap

Clap, clap, clap

Marilena Chauí fez muito bem em dizer certas coisas sobre Moro.

Nem importa exatamente o conteúdo das acusações. Não acredito que Moro tenha sido treinado pelos americanos para nos surrupiarem o pré-sal, embora seja uma possibilidade.

A relevância da fala de Chauí reside na descontrução de um personagem que é uma desgraça nacional.

Quanto Chauí incomodou a direita obtusa que idolatra Moro pode se ver pelo Twitter, onde ela ficou mais de um dia entre os trending topics levando pancadas de toda natureza.

Moro simboliza, ao lado de Gilmar Mendes, a justiça partidária e tendenciosa que castiga o Brasil.

O objetivo da Lava Jato, o tempo deixou claro para os inocentes, jamais foi erradicar a corrupção. Foi, isso sim, erradicar o PT.

Enquanto espetáculos cinematográficos mostravam em rede nacional petistas sendo presos, Eduardo Cunha e Aécio, para ficar em dois casos icônicos, roubavam sem preocupação nenhuma.

As coisas só ficaram mais complicadas para eles, e outros da mesma gangue, quando delatores contaram suas histórias. Não tenho dúvida: se os responsáveis pela Lava Jato pudessem obliterar os depoimentos que mostraram a alta roubalheira no PSDB e no PT, teriam feito.

É que não dava para fazer isso: censurar, deletar e coisas assim.

As delações recentes — sobretudo a de Sérgio Machado — revelaram o que a Lava Jato nunca pretendeu: o PT é mirim em corrupção diante dos profissionais do PMDB e do PSDB.

Pior do que não fazer nada contra a corrupção é fazer alguma coisa apenas contra um alvo. Isso é demagogia, manipulação, enganação. Você finge que está limpando o país quando na verdade está deixando as portas abertas para os gatunos de sempre.

Aconteceu em 1954, com Getúlio. Aconteceu em 1964, com Jango. E aconteceu agora, com Dilma. Sempre a mesma ladainha da plutocracia: a corrupção, o alegado mar de lama.

Dado o golpe, o capítulo seguinte é sempre o mesmo: rouba-se muito mais. Ninguém estava na verdade interessado em combater a corrupção.

Ou você acredita que uma empresa sonegadora e sem escrúpulo nenhum como a Globo pode falar em ética e moral sem ficar vermelha?

Não era Eduardo Cunha o centro da admiração de todos os analfabetos políticos que marchavam contra a corrupção até os suíços — não a Lava Jato — desmascará-lo? Enquanto os idiotas davam vivas a Cunha à luz do sol dos domingos ele tramava na sombra novas formas de achacar empresas e recolher propinas.

Moro foi um personagem central no enredo sinistro que destruiu 54 milhões de votos. Sua parceria com a Globo, da qual a apoteose foi o vazamento de conversas entre Lula e Dilma, ficará marcada como um dos episódios mais indecentes da história política nacional.

A posteridade não perdoará Moro, como não perdoou Lacerda, Roberto Marinho e os militares golpistas.

E é bom ver que uma intelectual brilhante como Marilena Chauí também não o perdoa desde já.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

quarta-feira, 6 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Forçados pela pressão das redes sociais, PF corta, disfarçadamente, as próprias pelancas

Edu: o que o jn escondeu da PF?

Estão também de olho na nulidade dos processos
publicado 04/07/2016

Blog da Cidadania.jpg

Reprodução: Blog da Cidadania.

É com imenso prazer que o Conversa Afiada reproduz o preciso e mortífero texto do Edu, noBlog da Cidadania.

Edu é vitima de uma sórdida perseguição da PF.

Assim como o Marcelo Auler e o ansioso blogueiro são alvo de um exercício de censura judicial de servidores (sic) públicos (sic), remunerados pelo povo para servir ao povo.

A prova do pudim é na hora de comer: os Valentões da Censura Armada vão ver que só metem medo em ladrão (do PT) !

(Porque do PSDB, não vem ao caso !)

E em mais ninguém!

(Convém lembrar que um dos valentões do VCA, tomou uma surra da Justiça, porque tentou entrar com a mesma ação contra o Marcelo Auler em três Varas diferentes – uma pirueta, se não for improbidade de servidor publico, o que a Corregedoria da PF e da Justiça, do Governo federal, deveriam investigar.)

Uma hipótese, Edu, entre as que voce enunciou.

A rapaziada da PF do Daiello – lembra do Daiello, amigo navegante? – deve morrer de medo da anulação das provas da Lava Jato

Já imaginou?

Cair tudo no Supremo?

Provas obtidas em “busca e apreensão” forjada, como demonstrou o Beirangê na Carta Capital?

Prova obtida em grampo não autorizado em mictório de preso?

Prova obtida com a intimidação de caseiro de sitio vizinho ao que não é do Lula?

Ao Edu, que não tem medo de cara feia!

Delegados anti Lula afastados da Lava Jato por suspeita de vazamento (?)
Precisamente às 20 horas e 57 minutos do último sábado (2/7), apresentadora interina do Jornal Nacional leu no teleprompter, em 28 segundos, uma nota lacônica que deu conta aos Homers Simpsons dos quatro cantos do país que dois delegados da Polícia Federal que atuam na Operação Lava Jato foram afastados daquela investigação.Assista à estranha forma de divulgação da notícia pelo telejornal em questão.

Para quem possa não ter conseguido assistir ao vídeo, segue, abaixo, a transcrição da nota lida no JN:

“Dois delegados da Polícia Federal que cuidam de inquéritos ligados ao ex-presidente Lula vão deixar a Operação Lava Jato.

Eduardo Mauat vai voltar para a unidade de origem dele, no Rio Grande do Sul.

E Luciano Flores, que interrogou Lula quando o ex-presidente foi levado para depor, vai trabalhar na coordenação da Olimpíada.

Os dois policiais já entregaram todas as investigações que estavam fazendo na Lava Jato. Os substitutos ainda não foram anunciados.”

O laconismo da nota chama atenção. Ficou evidente que o JN tentou afirmar alguma coisa sem dizê-lo.

Ao citar que os delegados afastados investigavam o ex-presidente Lula e que um deles foi responsável pela condução coercitiva do ex-presidente (considerada ilegal pelo ministro do STF Marco Aurélio Mello), o telejornal insinuou que esses delegados teriam sido afastados em benefício de alguma tentativa de acobertamento de Lula.

É óbvio que não subsistem razões para desconfiar de alguma ação política contra os delegados em questão, até porque o time de policiais federais da Lava Jato assumidamente antipetistas é bem maior, conforme se pode constatar na foto no alto da página.

Além dos dois delegados afastados, a foto da “força-tarefa” da PF (alto da página) que atua na Lava Jato traz à frente, em destaque, o delegado Igor Romário De Paula, que se notabilizou por, segundo o jornal Estado de São Paulo, ter feito campanha eleitoral para Aécio Neves no Facebook em 2014, razão pela qual De Paula tentou, recentemente, conseguir que a Justiça obrigasse o Google e o Facebook a apagarem o que ele mesmo disse publicamente. Vale dizer que a Justiça negou seu pedido.

Em 2015, foi proferida sentença em primeira instância em que a juíza Cecília de Carvalho Contrera não só nega o pedido do delegado como também mostra espanto em relação ao que ele pedia. Segundo ela, “O autor [do pedido de censura] exerce função pública e, como tal, está especialmente sujeito a críticas em relação a sua atuação e da instituição da qual faz parte. Surpreendente a dificuldade demonstrada em conviver com críticas e opiniões distintas.”

Assim sendo, se o afastamento dos delegados Flores e Mauat se devesse ao antipetismo que infecta todos os membros da Polícia Federal e do Ministério Público que atuam na Lava Jato, Romário de Paula deveria ter sido o primeiro a ser afastado, o que não ocorreu.

Claro que os dois delegados afastados padecem do mesmo antipetismo que o chefe (De Paula). O delegado Eduardo Mauat, por exemplo, é habitué da militância antipetista na internet. Em agosto do ano passado, por exemplo, ele publicou no Facebook comentário de apoio a manifestações contra Dilma Roussef.

delegado 2

Já o delegado Luciano Flores foi quem comandou a execrável 24ª fase da Operação Lava Jato, que sequestrou o ex-presidente Lula e o levou para depor “coercitivamente” sem que estivessem presentes as razões para tal ato de arbítrio, conforme bem ponderou o ministro do STF Marco Aurélio Mello.

Um dos muitos questionamentos feitos ao delegado em questão diz respeito ao fato de mais de 200 agentes terem sido mobilizados na operação contra Lula, número considerado exagerado até por membros da PF e do Ministério Público.

A opção pela condução coercitiva de Lula também sofreu forte influência de Flores. Porém, o que mais chamou atenção na 24ª fase da Lava Jato, dita “Operação Aletheia”, foram os vazamentos. Conforme este blog descobriu e divulgou no fim de fevereiro, membros da Lava Jato vazaram para toda a grande imprensa informações do ataque a Lula.

De forma absolutamente incrível, as organizações Globo chegaram a tentar envolver este Blog insinuando que teria responsabilidade em relação a vazamento da 24ª fase da Lava Jato, obrigando o autor desta página a contratar assessoria jurídica, haja vista que declarações do delegado Igor Romário de Paula sobre “um blog” que teria “vazado” a Operação Aletheia sugeriram a hipótese de tentarem responsabilizar o Blog da Cidadania pelo que certamente só poderia ter sido feito por algum – ou alguns – dos autores da operação policial em tela.

delegado 3

Por tudo que já foi explicado, o afastamento dos dois delegados antipetistas das investigações da Lava Jato pode ter razão muito diferente. Não haveria sentido em afastarem só dois dos vários antipetistas que atuam nas forças-tarefa da PF e do MP na operação em tela. Ambas estão repletas de petefóbicos.

Em março, o jornal O Globo anunciou abertura de uma investigação que pode estar por trás do recente afastamento desses delegados.

delegado 4

A investigação foi oficialmente aberta, mas, ao que parece, houve apuração e o resultado não foi bem o que os setores politizados da PF e do MP esperavam.

Em 26 de março, nova reportagem de O Globo deu conta de que os autores da investigação haviam mudado de foco. Se no início de março o delegado antipetista Igor Romário de Paula insinuou que este Blog estaria por trás dos vazamentos, no fim daquele mês sua convicção havia mudado: impunha-se a constatação óbvia de que o vazamento fora feito “por alguém de dentro”.

delegado 5

Resta saber, agora, por que se deu o afastamento dos delegados que o Jornal Nacional noticiou de forma tão curiosa. Se o JN considera estranho o afastamento de uma parcela pequena dos antipetistas da Lava Jato, este blogueiro considera que mandarem-nos ir cuidar da Olimpíada de 2016 está longe de ser “punição à altura” ou “cortar na carne”.

segunda-feira, 4 julho, 2016 Posted by | Repassando... | | Deixe um comentário

Nada como o Tempo, para descortinar a Verdade…

A maior revelação das delações: o PT é o menos corrupto dos grandes partidos.

Postado em 02 Jul 2016

o delator Machado: "Não sobra ninguém no PSDB"

o delator Machado: “Não sobra ninguém no PSDB”

Um esclarecimento, antes de tudo.

Não sou petista. Não tenho vínculo nenhum nenhum com o PT.

É o tipo de aviso que acho detestável, e que abandonei há tempos. Mas neste caso abro uma exceção.

Vamos lá.

As múltiplas delações vão deixando clara uma coisa que não recebeu ainda a devida atenção: ao contrário da narrativa incessante da mídia nestes últimos anos, desde que Lula subiu ao poder, o PT é o partido menos corrupto entre os grandes que estão aí.

Está de fora aí, naturalmente, o pequeno PSOL, um exemplar reduto de integridade e combatividade.

Observe as revelações sobre o PMDB. Numa das últimas delações, surgiu a acusação de que um operador de Eduardo Cunha ameaçou queimar a casa de um delator com os filhos dentro.

De novo: queimar com os filhos dentro.

Não é a primeira vez que delatores narram ameaças físicas associadas a Eduardo Cunha.

Ainda no campo do PMDB, pertencem ao terreno do espanto, também, as delações de Sérgio Machado.

E com Machado vamos ao PSDB, citado por ele. “Fui do PSDB dez anos. Não sobra ninguém”, disse Machado. Mas frase símbolo foi essa: “Todo mundo conhece os esquemas do Aécio”.

Todo mundo não. O público em geral desconhecia as roubalheiras de Aécio, graças à proteção infinita dada a ele pelas empresas jornalísticas.

Um antigo reduto milionário das propinas de Aécio, Furnas, só ganhou os devidos holofotes agora, depois de muitos anos de pilhagem. Delcídio falou em Furnas, Machado falou em Furnas — e a grande imprensa nunca investigou Furnas. Nem ela e muito menos a Polícia Federal.

Aécio virou um campeão de aparições em delações. Consagrou-se como a pior espécie de corrupto: aquele que rouba na sombra e, à luz do sol, faz sermões contra a corrupção.

Virou um morto vivo na política, por isso. Sua ladroagem saiu enfim da escuridão.

Perto do que se sabe agora que ele fez, o aeroporto privado que mandou construir com verba pública perto de sua casa de campo em Minas virou insignificância.

No terreno do PSDB, FHC teve também sua taxa de verdade e de merecidas humilhações nas delações. Ficou claro que o assalto à Petrobras foi enorme em seu governo. O filho de FHC foi citado numa negociata multimilionária na Petrobras.

E Dilma enquanto isso? Nada. De Lula, parece piada neste momento, mas o maior ataque contra ele derivou de pedalinhos.

Um político ligado a FHC, Xico Graziano, alimentou durante muito tempo a fábula de que Lulinha era dono da Friboi. Agora, foram investigar a Friboi no âmbito da Lava Jato e encontraram não Lula, mas Henrique Meirelles, o czar de Temer na economia. Meirelles comandava a Friboi na época em que a empresa é acusada de dar propinas.

E assim, com fatos, se desfaz o mito de que o PT inventou a corrupção no Brasil.

É um efeito colateral, e brutalmente indesejado pela plutocracia, da Lava Jato.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

domingo, 3 julho, 2016 Posted by | Repassando... | , | Deixe um comentário